Em resposta ao desejo formulado por Theresa May de pedir um novo adiamento até 22 de maio, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Junker, aumenta a pressão, referindo que não há mais adiamentos sem ratificação do acordo pelo parlamento britânico.

“12 de abril é a última data de aprovação possível. Se a câmara dos comuns não se pronunciar antes dessa data, nenhum prolongamento suplementar de curta duração será acordado. Depois de 12 de abril arriscamo-nos a pôr em perigo o processo das eleições para o Parlamento Europeu e a ameaçar o funcionamento da União Europeia“, afirmou. 

O eurodeputado Guy Verhofstadt, responsável das questões do Brexit no Parlamento Europeu, está bastante cético e alerta os parlamentares:“Sei que um certo número de colegas está a pensar talvez numa extensão do prazo. Não tenham ilusões. O facto de nós criarmos uma situação em que a Grã-Bretanha está com um pé dentro e outro fora da União é uma tragédia. É mau para a União Europeia. Podem imaginar, por um momento, que o novo primeiro ministro da Grã-Bretanha, – o senhor Boris Johnson ou o senhor Michael Gove – ambos responsáveis pelo desastre do Brexit, possa ter nas mãos as chaves do futuro da União Europeia? Eu não posso imaginar que isso pode acontecer. Seria um desastre para a União Europeia e esse não é o caminho a seguir”.


publicado em site Euronews
Anúncios